Laboratório desiste de receber macacos para experimentação

Por Natalia Cesana
(ANDA)

Foto: Reprodução/greenme.it

Uma pequena, mas importante vitória para os animais: os macacos destinados à experimentação não serão mais enviados aos laboratórios da regional italiana da Harlan, multinacional americana que “fornece produtos e serviços cuja finalidade é o cuidado humano e o uso de animais em pesquisas”, localizada em Correzzana, norte do país. E os 104 animais que já estariam no local também não serão mais enviados à uma empresa farmacêutica que iria usá-los em pesquisas científicas. Este foi o acordo a que chegaram Michela Brambilla e o presidente da Harlan, David Broken, depois de meia hora de conversa pelo telefone. As informações são do portal greenme.it

Brambilla, ex-ministra do Turismo, conseguiu, depois de um longo convencimento, a entrar nos pavilhões de Correzzana acompanhada por três seguranças, para efetuar uma inspeção e obter o telefone da Harlan americana, localizada em Minneapolis.

“Os animais estavam em boa saúde, mas não é este o ponto. Mesmo que o criadouro respeite as leis italianas, não estará nunca de acordo com a nossa consciência e com o nosso senso ético. Estas práticas precisam cessar e estão com os dias contados graças às leis da região da Lombardia que o Parlamento está prestes a aprovar”, falou.

Depois de ter assegurado que outros macacos não serão enviados, Broken se encontrará com Brambilla. “Na sexta-feira nos encontraremos pessoalmente em Correzzana, mas ele já me garantiu que aqui não chegarão mais macacos destinados à pesquisa, nem aqueles que se encontram aqui nem encomendados. Os animais estão a salvo, mas este é apenas um resultado preliminar”, conclui a ex-ministra.

Apesar do acontecimento, as pressões não podem esmorecer. A Lombardia, por exemplo, está prestes a votar uma lei regional que proibirá em toda a região a criação de primatas, além de gatos e cães, com finalidade científica. Deste modo, Harlan e Green Hill não mais tirarão proveito dos animais.

Mas ainda são muitas as perguntas que ficaram sem resposta. Os macacos capturados de seus habitat serão levados para onde? O que está por trás da inesperada rendição da multinacional? E se em vez de pararem na Itália, os macacos tomassem outros rumos?

Em suma, apesar de ainda ser cedo para cantar vitória, este caso jogou os holofotes sobre a experimentação animal, salientando que a melhor forma de interromper tal prática é questioná-la no nível legislativo.

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s