Como separar o lixo?


Estava buscando dicas de como separar o lixo, porque percebi que apesar de ser algo simples muita gente ainda peca nesse assunto e eu sou uma das pecadoras. Encontrei no site de Gramado boas dicas.

O simples como papel, plástico, alumínio (latinhas) e vidro eu sempre separei, mas ia tudo para o mesmo caminhão. Hoje para não ter mais essa mistura essa parte do meu lixo eu entrego para quem revende ou utiliza de uma nova forma.

Mas o que fazer com as outras coisas?

Lixo orgânico
Separe aí: restos de alimentos, folhas, plantas, papel higiênico (parêntese: não jogue o tubo de xampu vazio nem lâminas de barbear no cesto de lixo do banheiro!), guardanapo, papel molhado ou engordurado, absorventes higiênicos, fraldas descartáveis, tocos de cigarro e sobras de madeira.

Lixo inorgânico
Se puder, coloque em sacos diferentes as embalagens de plástico, lata, vidro e papel. No caso de você conhecer alguém que usa esse tipo de material como matéria-prima, já pode destinar a essa pessoa ou empresa. Algumas escolas e associações reciclam papel, por exemplo. Os alunos da Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais – APAE de Gramado fazem trabalhos desse tipo. No seu bairro mesmo deve haver alguém que precise do lixo que lhe sobra. Há muitos catadores de latinhas por aí. Há agricultores que usam as embalagens longa vida (tetra park) para montar viveiros. E já vi também bandas de garagem que recolhem caixas de ovos vazias para fazer o isolamento acústico das paredes (para alívio dos ouvidos vizinhos!). Em Gramado, as garrafas pet servem de matéria-prima para a decoração do Natal Luz. Enfim, os destinos são muitos, a questão é criar o hábito de classificar. No mais, embalagens de plástico, metal ou vidro, longa vida e papéis secos é o que se entende por lixo inorgânico (ou seco). Importante: evite deixar restos de alimentos nas embalagens. Não precisa lavar com sabão, mas dê uma enxaguada antes de jogar fora.

Lixo químico e tóxico
Pilhas, baterias, lâmpadas fluorescentes, termômetros, e outros produtos que contenham elementos químicos têm destino especial. Em Gramado, vão para a DR Hidráulica, que faz a destinação correta. Esse tipo de lixo não deve ser deixado para que o caminhão leve embora. Há pontos de coleta específicos, como postos de saúde, agências bancárias, escolas, supermercados e a Secretaria do Meio Ambiente. Agrotóxicos, pesticidas, inseticidas, repelentes, herbicidas, material de pintura e máquinas devem ser separados dos outros tipos de resíduos. Os agricultores devem devolver as embalagens no local onde compraram o produto.

Lixo hospitalar
Curativos e seringas, em casa, não devem ir para o lixo orgânico. Pede-se que sejam entregues nos postos de saúde ou farmácias. Os responsáveis pela destinação correta desse tipo de lixo são as fontes, de acordo com o que determina o código de posturas. Algumas empresas estão credenciadas pelo município para recolher o lixo hospitalar.

Pneus
Gramado encaminha, mensalmente, cerca de 800 pneus para a Industrial Batistella Artefatos de Borracharia Ltda., empresa de Nova Santa Rita/RS, licenciada pela Fepam – Fundação Estadual de Preservação Ambiental. Os pneus são recolhidos em 22 borracharias da cidade e servem para fazer solados de calçados, persianas de sofás e asfalto de borracha. O ferro é direcionado a siderúrgicas. Portanto, na troca, deixe os pneus usados de seu carro na borracharia – e certifique-se do destino que lhes será dado, pergunte, comprometa-se.

Lixo verde
Para recolher restos de poda, o cidadão deve entrar em contato com a Prefeitura, que tem três dias úteis para fazer o recolhimento. O telefone é (54) 3286-2549. No caso de entulho de construção, há empresas credenciadas para o recolhimento.

Óleo de cozinha
Outro pecado grave contra o meio ambiente é derramar o óleo de cozinha pelo ralo, ou pior: enterrar no quintal de casa. Uma parceria da Câmara de Indústria, Comércio, Serviços, Agricultura e Turismo de Gramado – CICSAT, com outras entidades de classe, poder público e ONGs ambientalistas, desencadeou uma campanha, em 2003, para a destinação consciente do óleo de cozinha. É o projeto Remov. A ordem é armazenar o óleo utilizado em garrafas e entregar no ponto de coleta mais próximo. As escolas de todos os bairros têm coletores. Reciclado, o óleo pode virar sabão, por exemplo.

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s